Galeria

Advogados exigem que Youtube deixe de exibir músicas de John Lennon

Um dos principais empresários musicais do mundo ameaça a empresa com um processo no valor de US$ 1 bilhão. 

(Foto: GETTY IMAGES)

(Foto: GETTY IMAGES)

Os advogados de Irving Azoff, um dos principais empresários musicais do mundo, ameaçaram o YouTube com um processo no valor de US$ 1 bilhão caso o site não retire todos os vídeos de alguns de seus representados, como Pharrell Williams, Eagles e John Lennon.

O YouTube não tem licença de reprodução, segundo o Hollywood Reporter, de cerca de 20 mil canções administradas pela companhia Global Music Rights, propriedade de Azoff — o que representa aproximadamente 40% de seus clientes.

Em novembro, o YouTube anunciou o lançamento de um serviço de assinatura para concorrer com o Spotify e o Pandora, mas para poder reproduzir a música tem de contar com uma licença. Os advogados de Azoff informaram a empresa sobre essa situação e a ameaçaram com um processo se as negociações não chegarem, a um acordo.

A ação seria só contra o YouTube e não contra outros serviços semelhantes, devido a sua falta de colaboração. “São os que se mostraram menos cooperativos e a companhia e seus clientes consideram que foram os piores infratores”, afirmou Azoff ao Hollywood Reporter.

Em mensagem no Twitter, o empresário garantiu que o “YouTube sabe que não tem licença da GMR [Global Music Rights] e se recusa a provar que conta com qualquer outro tipo de direito para transmitir as canções dos autores da GMR”. Além das músicas de Lennon, Pharrell Williams e Eagles, a ação incluiria canções de Smokey Robinson e George e Ira Gershwin.

Fonte: Época

Anúncios

2 Respostas para “Advogados exigem que Youtube deixe de exibir músicas de John Lennon

  1. Muito mal. Torcendo para que entrem num acordo.

  2. João Arnaldo

    Tá certo! Ganha dinheiro com a música dos outros? Tem que pagar para os autores e intérpretes.

    Mas, se a moda pega, o formato atual do Youtube será inviabilizado.

    E agora, José?

    Se entrar em acordo e pagar alguma coisa, até o Tiririca vai entrar com processo e querer um naco (com razão) pelos vídeos de “Florentina, Florentina”.

    Se não pagar, vai ter que demonstrar como pode ser correto alguém ganhar dinheiro com o trabalho dos outros e não pagar nada ao autor… ou criar um departamento só para deletar os vídeos desses artistas, todos os dias até o final dos tempos.

    Vale a pena acompanhar os desdobramentos – os próximos capítulos serão interessantíssimos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s