Galeria

Os Beatles e a história por trás de “I’ll Follow the Sun”

fbbc29af944ee4383086ef99df76a593O contraste entre as visões que John e Paul tinham sobre a vida e o amor não poderia ser maior. Enquanto John normalmente se via como vítima, Paul demonstrava ter controle total de sua vida. Em “If I Fell”, John pedia uma promessa de que o amor duraria. Em “I’ll Follow The Sun”, Paul sustenta que essa garantia não é possível. Ele sabe que nuvens negras podem aparecer em seu relacionamento, então decide apenas seguir o sol. Mesmo sendo uma canção um tanto egoísta, por não levar em consideração como a garota abandonada pode encontrar sua própria luz do sol, era um reflexo exato da vida romântica que Paul mantinha com Jane Asher.

Era uma canção guardada “na gaveta”, para ser usada quando surgisse pressão para que os Beatles criassem material novo, mas ela foi escrita em 1959. Foi pouco depois da morte de Buddy Holly, e havia uma onda de interesse por ele, que fez com que quatro singles do músico estourassem na Inglaterra.

lennon 1964 portrait shotEm “I’ll FollowThe Sun”, é fácil detectar o efeito disso no jovem Paul McCartney. Holly era uma influência significativa para os Beatles porque, ao contrário de Elvis, escrevia todas as suas canções e tinha uma banda de apoio permanente e identificável. John (que era míope) sentia-se estimulado pelo fato de um cantor que usava óculos poder se tornar um astro do rock, e o nome dos Beatles foi inicialmente inspirado pelos Crickets, de Buddy.

Beatles For Sale incluía uma faixa de Chuck Berry (“Rock And Roll Music”), uma de Leiber e Stoller (“Kansas City”), uma de Little Richard (“Hey Hey, Hey”), uma de Buddy Holly (“Words Of Love”) e duas de Carl Perkins (“Honey Don’t” e “Everybody’s Trying To Be My Baby”), todas gravadas às pressas perto do fim das sessões.

bau_beatles_for-sale

“Ainda existem uma ou duas de nossas primeiras músicas que valeria a pena gravar”, Paul explicou à Mersey Beat na época. “De tempos em tempos lembramos de algumas das boas que escrevemos no começo, e uma delas, “I’ll Follow The Sun”, está no LP.” Nos anos 70, a empresa de Paul, MPL Communications, comprou o catálogo de Buddy Holly e desde então é responsável por organizar a cada ano o Buddy Holly Day.

Matéria publicada originalmente no blog O Baú do Edu

Anúncios

Uma resposta para “Os Beatles e a história por trás de “I’ll Follow the Sun”

  1. Adoro o Baú do Edu, claro. Mas vejo aqui mais uma vez, o pensamento equivocado que poetas sempre escrevem para suas namoradas e esposas. Tudo bem que fala apenas que a música era um reflexo do relacionamento de Paul com Jane. Como garantir isso? Por qual razão? Apenas porque era a namorada conhecida por todos. Em seguida já mostra que o musica foi escrita em 59, muito antes de Jane aparecer na história. Portanto, nada tem a ver com ela. Eu não sei qual o motivo desse pensamento de fidelidade que existe entre os fãs. Há pessoas que garantem que absolutamente tudo que John fez após conhecer Yoko foi para ela. Não foi! Vejo aqui – e posso estar enganada – um certo romantismo de novela, uma vontade de que seja assim. Mas os poetas e artistas são muito diferentes desse tipo de romantismo. Não se encaixam. E daí que acabam passando uma imagem irreal dos Beatles. Conheço um poeta casado que escreveu muitos textos romanticos…dedicados a outra mulher…da qual se lembrava de outra vida! Meu irmão também fez isso. Ele escreveu quase uma peça a respeito de uma mulher que ele sentia respirando a seu lado quando ele se deitava para dormir. Imaginou que era espanhola…Do tempo de El Cid. Veja bem como são os poetas. Limita-los é algo impossível. Paul costuma dizer que nem sabe para quem escreveu certas músicas. A letra vem. Surge. Yesterday pode ter sido para a mãe dele…já que alguém disse a ele que poderia ser. Uma outra pessoa disse…ele não sabe! Mas logo escrevem e contam que foi para Jane. Tirando assim a beleza da criatividade do artista. Como se tivessem uma ideia fixa numa só pessoa. Um letrista, que além de tudo tem sensibilidade espiritual, vai mais longe do que isso. É o caso de Paul. Ele viu uma foto de uma mulher negra e escreveu Lady Madonna. Ele foi multado e escreveu Lovely Rita. Mas se fala em amor…só pode ter sido para a namorada oficial. Digo a oficial por que pode ter havido aqueles casos que não vieram a público. Querem que os Beatles sejam certinhos, de acordo com o figurino. Mas eles eram espíritos livres. Claro que deve ter havido músicas para Jane. Ela fez parte da vida dele por longo tempo. Ai, e como era lindinha…Eu me inspirava nela, até copiava os modelos das roupas que usava. Um dia descobri que ela sentava numa cadeira da mesma forma que eu. Joelhos juntos. Foi uma festa. Mas eu sei bem que nem tudo foi para ela. O que me estranha é mesmo sabendo que a música estava já pronta desde 59 acham que reflete o que vivia com ela. Mas nem sabemos bem como é que viviam. Paul sempre foi reservado e cuidadoso quanto a sua vida particular. Outro dia aí achei um artigo onde um amigo de Linda afirma que estiveram para se divorciar por três vezes. Se é verdade eu não sei. Pode ser fofoca to tal amigo. Mas, mesmo se for verdade, Paul não contaria. Eu concordo com ele que a vida íntima deve ser preservada. Isso mostra que é ilusão acharmos que sabemos tudo o que se passou entre as paredes das casas dos Beatles. Não há como saber o que se passa nas cabeças dos poetas e músicos quando estão criando sua arte, a mesmo que decidam nos contar. Com um detalhe: o poeta casado pode bem mentir que escreveu para a esposa.,…para evitar ciumes! Sei de alguns casos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s