Galeria

Diretor de “Yellow Submarine” critica tecnologia

Bob Balser, diretor da animação dos Beatles, participa da 22ª edição do Anima Mundi. Americano afirma que falta ‘alma’ nos desenhos feitos no computador e que só passou a gostar de filme anos depois.

Wallpaper (223)

Em plena corrida por inovações tecnológicas nos estúdios de cinema, o americano Bob Balser, 87, diretor de animação do clássico da beatlemania “Submarino Amarelo” (1968), defende: “Um desenho feito pelo computador não tem alma”.

Diretor de outros trabalhos de sucesso, como a série de TV dos anos 70 sobre o grupo Jackson 5, Balser é destaque na 22ª edição do festival Anima Mundi, que acontece até o dia 3/8 no Rio e de 6 a 10/8 em São Paulo. Ele participa de palestra nesta quinta-feira (31) na capital carioca e em SP no dia 6/8.

Em entrevista, ele disse que levou anos para aprender a gostar de “Submarino Amarelo”, o desenho animado inspirado na canção homônima de John Lennon e Paul McCartney e que se tornou uma referência do universo dos Beatles.

Leia os principais trechos:

Wallpaper (106)O sr. só trabalhou com animação clássica. O que acha da produção digitalizada?

Bob Balser – Não sei quem disse a frase, mas eu concordo: um desenho feito pelo computador não tem alma.

Como começou a trabalhar com animação?

Essa história é boa. Eu fazia faculdade de artes visuais em Los Angeles e precisava de créditos para me formar. Só a porcaria daquele curso de animação se encaixava e acabou mudando minha vida. Logo consegui emprego em estúdios de Hollywood e depois fui para a Europa.

Como o senhor se envolveu com “Submarino Amarelo”?

O trabalho de animador é ingrato. Há períodos em que você trabalha demais e outros em que não há nada para fazer. Estava assim quando chamaram a mim e a mais oito pessoas para o teste. Quando vimos os lindos desenhos psicodélicos de Heinz Edelmann [diretor de arte do longa, morto em 2009], sabíamos qual visual queríamos para o filme.

Qual foi a parte mais difícil?

Eu só vou dizer que nós tínhamos três desafios: falta de dinheiro, falta de tempo e falta de roteiro. O resto só conto na palestra.

O filme é um marco.

Foi o primeiro a quebrar o estilo Disney de animação. Usamos técnicas que só haviam sido exploradas em curtas [o filme foi feito com fotogramas pintados à mão]. Sendo um filme dos Beatles, já sabíamos que seria um sucesso, então pudemos ousar.

Sabia que tinha algo revolucionário nas mãos?

Nenhum artista acha isso. Mas o engraçado é que não gostei do filme. Quando ficou pronto, disse: “Passei um ano trabalhando nesse filme, e ficou péssimo!”. Só muitos anos depois consegui gostar.

É verdade que os Beatles a princípio não se interessaram pelo filme?

Sim, eles detestavam o desenho animado sobre eles que passava na TV. Reclamavam dos falsos sotaques britânicos. E achavam que nosso filme seria mais do mesmo.

Como foi assistir à versão restaurada do Anima Mundi?

Maravilhoso. Pude corrigir coisas que me incomodavam, como as cores e alguns movimentos dos personagens.

Que filmes do lado B de sua carreira destacaria?

Vou exibir pela primeira vez “El Sombrero”, curta dos anos 1960 que estava perdido até o ano passado. Foi muito gostoso rever, era como se outra pessoa tivesse feito.

Fonte: Folha

Anúncios

Uma resposta para “Diretor de “Yellow Submarine” critica tecnologia

  1. Gostaria de poder ver essa nova versão…Uma coisa que me desagradava no original eram alguns dos movimentos. E agora deram um jeito, pelo que entendi. Poucos acreditam, mas adoro a contribuição musical de George Martim para esse filme. Sempre ouvi o lado A e o lado B ( de Martin) com o mesmo prazer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s